Assista-nos ao vivo as 13:30 de segunda a sexta, na TV Portal Microfone Verdade
Escute online agora



O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou nesta quarta-feira, 14, que o ministro da Justiça, Anderson Torres, e o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rochaprestem esclarecimento sobre as medidas tomadas pelas forças de segurança para conter os atos de violência e vandalismo ocorridos na segunda-feira, 12, em Brasília.

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro tentaram invadir o edifício-sede da Polícia Federal, atearam fogo a carros e ônibus e entraram em confronto com forças de segurança no centro da capital federal na noite de segunda-feira, chegando muito próximos de hotel onde estava hospedado o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva.

A onda de violência, que ocorreu após a cerimônia de diplomação de Lula pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), foi desencadeada pelo inconformismo de bolsonaristas com a prisão pela PF, atendendo a uma ordem do STF, de um líder indígena que apoia o atual presidente.

Muitos dos aliados de Lula demonstraram insatisfação em relação à atuação das forças de segurança, acusando-as de serem lenientes. Também se queixaram do comportamento do ministro da Justiça, que demorou a se manifestar sobre o assunto e só se pronunciou por meio do Twitter.

Atos antidemocráticos

Moraes argumentou em sua decisão que o conflito registrado no início da semana faz parte de movimento mais abrangente, investigado pela corte no âmbito dos atos antidemocráticos, “nos quais grupos financiados por empresários (a serem identificados) insatisfeitos com o legítimo resultado do pleito, com violência e grave ameaça às pessoas, passaram a bloquear o tráfego em diversas rodovias do país e a abusar do direito de reunião nos arredores de quartéis militares, com o intuito de abolirem o Estado Democrático de Direito, pleiteando um golpe militar e o retorno da ditadura”.

A decisão do ministro toma como base petição do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) no âmbito do inquérito dos atos antidemocráticos.

“Dessa maneira, na presente hipótese a representação em face de Michelle Bolsonaro carece de elementos indiciários mínimos, estando patente a ausência de justa causa para a instauração da investigação, sendo, portanto, necessário seu imediato arquivamento”, diz o ministro, na decisão.

Do Terra 

***


error: Conteúdo Protegido