Assista-nos ao vivo as 13:30 de segunda a sexta, na TV Portal Microfone Verdade
Escute online agora



O novo bloqueio do orçamento feito pelo Ministério da Educação (MEC) vai retirar das universidades R$ 344,174 milhões, segundo cálculos do Fórum Nacional de Pró-Reitores de Planejamento e de Administração das Instituições Federais de Ensino Superior (Forplad).

A nova estimativa do Forplad trouxe ainda mais preocupação para a comunidade acadêmica.

No caso da Universidade de Brasília (UnB), a perda é de inicialmente R$ 2 milhões. “Foram retirados durante o jogo do Brasil. Estávamos fazendo remanejamentos para poder pagar a empresa de manutenção dos nossos edifícios. Agora, ficamos sem esses recursos”, afirma a reitora da UnB, Márcia Abrahão.

Márcia Abrahão destaca que a UnB tem sofrido sucessivas perdas no orçamento. “[Esse] não é o primeiro corte deste ano. E esperamos que seja revertido”, assinalou. Em 2022, a instituição perdeu 7,19% do orçamento. Em valores reais, a universidade ficou sem, aproximadamente, R$ 36,3 milhões.

Perda de autorização das universidades

Com o novo bloqueio, o MEC “retirou o limite” e travou os orçamentos das instituições de ensino, segundo a reitora da UnB. Com a medida, as instituições de ensino superior perdem autorização para usar o dinheiro e não podem efetuar pagamentos, por exemplo.

De acordo com a reitora, a UnB pediu diretamente ao ministério o retorno do limite. A solicitação não foi atendida. “Estamos dialogando com o Forplad e a Andifes (Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior), buscando conseguir que o MEC retorne esse limite para pagarmos as despesas realizadas”, contou.

Metrópoles entrou em contato com o MEC para questionar sobre os bloqueios. A pasta alegou que recebeu a notificação do Ministério da Economia a respeito dos bloqueios orçamentários realizados. Mas não explicou o motivo da decisão.

“É importante destacar que o MEC mantém a comunicação aberta com todos e mantém as tratativas junto ao Ministério da Economia e à Casa Civil para avaliar alternativas e buscar soluções para enfrentar a situação”, argumentou a pasta, em nota.

Do Metrópoles 

***


error: Conteúdo Protegido