Assista-nos ao vivo as 13:30 de segunda a sexta, na TV Portal Microfone Verdade
Escute online agora



Um relatório com mais de 60 páginas divido em 5 partes explicitando detalhes do bloqueio da ponte entre Palmas e Luzimangues e da manifestação festiva em frente à sede do 22º Batalhão do Exército foi enviado pela Polícia Civil do Tocantins ao Ministro Alexandre de Moraes do Supremo Tribunal Federal (STF) e atual presidente do Tribunal Superior Eleitoral – TSE.

O dossiê produzido pela Diretoria de inteligência da PCTO contém dados pessoais, endereços e fotos dos líderes dos protestos classificados com antidemocráticos e, por conseguinte, totalmente ilegais.

Pelo que consta no documento, os principais líderes da manifestação na ponte e no quartel do Exército são o agropecuarista Thiago Marasca Moura, residente no distrito de Buritirana, município de Palmas e o youtuber e ex-cabo da Polícia Militar do Tocantins, Nelcivan Costa Feitosa, conhecido como Pastor Nelcivan, residente na 1.203 Sul, em Palmas.

Também foram identificados outros 9 suspeitos de Palmas e outras cidades que patrocinaram as manifestações oferecendo caminhões, pneus, carro de som, tendas, banheiros químicos, água, comida, carne para churrasco e até bebidas alcóolicas. (Veja doc/pdf na íntegra abaixo)

A Diretoria de inteligência da Polícia Civil sugere à Secretaria de Segurança Pública a instauração de inquérito para investigar os financiadores dos bloqueios antidemocráticos para que possam responder perante os ditames da legislação.

Outros bloqueios

Policiais civis e militares foram designados para adotar providências em outros 20 pontos bloqueados nos primeiros dias após o resultado das urnas. O STF também aguarda uma tomada providências concernente aos demais grupos que cometeram os mesmos crimes e, por seu turno, deverão responder assim como os que já foram arrolados em Palmas.

PC investiga líderes de bloqueio em Porto Nacional

Em nota, a SSP afirma que foram produzidos alguns documentos referentes às manifestações em todo o estado e que foram encaminhados para a Diretoria de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (DRACCO) que ficou responsável pela apuração dos fatos.

Íntegra de relatório enviado ao STF

***


error: Conteúdo Protegido