Assista-nos ao vivo as 13:30 de segunda a sexta, na TV Portal Microfone Verdade
Escute online agora



Nas primeiras horas da manhã desta quarta-feira (9), a Polícia Federal iniciou a Operação Critpa com a finalidade de aprofundar as investigações relacionadas à captação de recursos para supostos investimentos em criptomoedas.

Conforme a PF, os investigados prometiam rendimentos entre 5% e 30% do capital investido, mas não possuíam autorização nem da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), nem do Banco Central do Brasil (BCB) para realizarem as operações financeiras anunciadas.

Cerca de 24 policiais federais cumprem 5 mandados de busca e apreensão na cidade de Palmas. A operação foi autorizada pela 4ª Vara Federal da Seção Judiciária do Estado do Tocantins.

A investigação teve início a partir de denúncias de que haveria um operador captando recursos para investimentos em criptomoedas, mas que tais operações não eram reveladas, de maneira que os investidores não sabiam se as operações com criptoativos ocorriam de fato. Invariavelmente, os rendimentos eram pagos todos os meses, inclusive, emitindo-se nota fiscal relativa ao alegado serviço. Ademais, foi informado que os investigados teriam adquirido diversos bens de alto valor, ostentando boa condição financeira, tudo para conferir maior credibilidade ao suposto negócio.

De acordo com as investigações, o prejuízo causado às vítimas pode superar 15 milhões de reais.

Segundo a PF, os investigados poderão responder, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de indução de investidor em erro, de operação irregular de instituição financeira, de evasão de divisas (art. 6º, 16 e 22, parágrafo único, da Lei nº 7.492/1986) e de lavagem de dinheiro (art. 1º, da Lei nº 9.613/1998), cujas penas somadas podem chegar a 20 anos de reclusão e multa.

Nome da operação

O nome da operação remonta à etimologia da palavra “Cripta”, que significa “esconder-se”, referindo-se tanto aos ativos que se prometia adquirir (criptomoedas), quanto à sistemática do negócio proposto, cuja realidade era escondida dos investidores.

A Polícia Federal disponibiliza o e-mail delecor.drcor.srto@pf.gov.br e a conta Whatsapp (63) 3236-5422 para o recebimento de denúncias e outras informações referentes aos fatos, além do serviço de plantão na própria Superintendência Regional no Tocantins.

 

***


error: Conteúdo Protegido