Assista-nos ao vivo as 13:30 de segunda a sexta, na TV Portal Microfone Verdade
Escute online agora



A equipe do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), analisa a abertura de crédito extraordinário ao Orçamento de 2023, por meio de Medida Provisória (MP), para executar as promessas de campanha, caso não obtenha êxito em seu plano inicial: a criação de uma PEC da Transição.

Antes, Dias se reuniu com o relator-geral do Orçamento, Marcelo Castro (MDB-PI) e o vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin (PSB), na quinta (3/11).

A principal proposta é a permanência do auxílio financeiro permanente de R$ 600 mensais aos mais pobres. O benefício deve funcionar nos moldes do extinto Bolsa Família.

Segundo o senador, a alegação da MP seria a prorrogação da situação de emergência, decretada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), para aumentar, de R$ 400 para R$ 600, o valor do atual Auxílio Brasil. Dessa forma, o pagamento do auxílio seria prorrogado no atual valor, que seria mantido até 31 de dezembro.

A preferência, no entanto, continua sendo pela PEC da Transição.

Orçamento secreto 

O Centrão votará a PEC da Transição apresentada pela equipe do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva em troca do apoio do novo governo às pautas do grupo no Congresso, informa o jornal “O Estado de S.Paulo”. Uma das condições para liberar novos gastos fora do teto é a manutenção do orçamento secreto.

De acordo com a publicação, a PEC causou preocupação no mercado financeiro porque está sendo negociada sem que o novo ministro da área econômica tenha sido anunciado por Lula, e abrindo uma margem para gastos permanentes.

Do Metrópoles 

***

 

 

 


error: Conteúdo Protegido