Assista-nos ao vivo as 13:30 de segunda a sexta, na TV Portal Microfone Verdade
Escute online agora



Mais de 44 horas após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmar o resultado das eleições 2022, o presidente Jair Bolsonaro (PL) rompeu o silêncio nesta terça-feira (1°/11), mas não admitiu a derrota para Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas urnas no último domingo (30/10). O petista obteve 50,90% dos votos válidos (60.345.999), enquanto Bolsonaro conquistou 49,10% (58.206.354).

“Enquanto presidente da República, este cidadão, continuarei cumprindo todos os mandamentos da nossa Constituição”, afirmou.

Durante a declaração, ele desaprovou atos de caminhoneiros que estão bloqueando rodovias em todo o país desde domingo. Disse que o “cerceamento do direito de ir e vir” é “método da esquerda”, mas que os movimentos são “fruto de indignação e sentimentos de injustiça”.

Dia de reuniões

Bolsonaro recebeu vários aliados ao longo do dia na residência oficial, entre eles um de seus filhos, o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), e os comandantes das três Forças Armadas. Em seguida, ministros de Estado foram convocados para estar ao lado do presidente não reeleito no pronunciamento

Estavam presentes os seguintes ministros:

  1. Anderson Torres (Justiça)
  2. Paulo Alvim (Ciência e Tecnologia)
  3. Victor Godoy (Educação)
  4. Joaquim Leite (Meio Ambiente)
  5. Daniel Ferreira (Desenvolvimento Regional)
  6. Ronaldo Bento (Cidadania)
  7. Cristiane Brito (Mulher, Família e Direitos Humanos)
  8. José Carlos Oliveira (Trabalho)
  9. Carlos França (Relações Exteriores)
  10. Ciro Nogueira (Casa Civil)
  11. Marcos Montes (Agricultura)
  12. Marcelo Queiroga (Saúde)
  13. Marcelo Sampaio (Infraestrutura)
  14. Paulo Guedes (Economia)
  15. Luiz Eduardo Ramos (Secretaria-Geral da Presidência)
  16. Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira (Defesa)

Leia a íntegra do pronunciamento de Bolsonaro:

“Quero começar agradecendo aos 58 milhões de brasileiros que votaram em mim no último dia 30 de outubro. Os atuais movimentos populares são fruto de indignação e sentimentos de injustiça de como se deu o processo eleitoral.

As manifestações pacíficas sempre serão bem-vindas, mas os nossos métodos não podem ser os da esquerda, que sempre prejudicaram a população, como invasão de propriedade, destruição de patrimônio e cerceamento do direito de ir e vir.

A direita surgiu de verdade em nosso país. Nossa robusta representação no Congresso mostra a força dos nossos valores: Deus, pátria, família e liberdade. Formamos diversas diversas lideranças pelo Brasil.

Nossos sonhos seguem mais vivos do que nunca. Somos pela ordem e pelo progresso. Mesmo enfrentando todo o sistema, superamos uma pandemia e as consequências de uma guerra.

Sempre fui rotulado como antidemocrático e, ao contrário dos meus acusadores, sempre joguei dentro das quatro linhas da Constituição.

Nunca falei em controlar ou cercear a mídia e as redes sociais. Enquanto presidente da República, este cidadão, continuarei cumprindo todos os mandamentos da nossa Constituição.

É uma honra ser o líder de vários brasileiros, que, como eu, defendem a liberdade econômica, a liberdade religiosa, a liberdade de opinião, a honestidade e as cores verde e amarela da nossa bandeira.

Do Metropoles 

***


error: Conteúdo Protegido