Assista-nos ao vivo as 13:30 de segunda a sexta, na TV Portal Microfone Verdade
Escute online agora



O vice-presidente da República, Hamilton Mourão (Republicanos), e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), viajaram neste sábado (17/9) ao exterior para fugir da inelegibilidade. A viagem dos dois acontece em virtude da ida do presidente Jair Bolsonaro (PL) a Londres, na Inglaterra, para o funeral da rainha Elizabeth II, e aos Estados Unidos, na sequência, para a Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

Mourão, que tenta uma vaga no Senado pelo Rio Grande do Sul, e Lira, que é candidato à reeleição, são o segundo e o terceiro na linha sucessória da Presidência da República, respectivamente. A Constituição prevê que ficam inelegíveis aqueles que substituírem o presidente da República nos seis meses anteriores ao pleito, salvo se já titular de mandato eletivo e candidato à reeleição.

Se Mourão e Lira assumirem o comando do Palácio do Planalto no lugar de Bolsonaro até o pleito de outubro, ambos se tornam inelegíveis. Por isso, eles tiveram que paralisar suas campanhas a duas semanas do pleito e se ausentar do país.

Mourão foi para o Peru, onde deve se reunir com o presidente, o socialista Pedro Castillo. Ele ainda deve ter agenda com a vice-presidente peruana, Dina Boluarte, e participar da Expoalimentaria Perú 2022, uma feira de insumos alimentícios, onde terá produtores brasileiros.

Já Lira viajou para Nova York, nos Estados Unidos, onde participará da Assembleia da ONU. Não foi divulgada programação completa do presidente da Câmara naquele país.

De Londres, Bolsonaro viajará direto para Nova York, onde fará o tradicional discurso de abertura da Assembleia-Geral da ONU, no dia 20 de setembro. A previsão é de que o atual chefe do Planalto retorne ao Brasil logo após o discurso.

De domingo (18/9) a terça-feira (20/9), o comando do país será exercido pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). O senador, que tem mais quatro anos de mandato pela frente, não disputa as eleições deste ano. Por ser o quarto na linha sucessória, assumirá a Presidência no período.

Do Metrópoles 

***


error: Conteúdo Protegido