Assista-nos ao vivo as 13:30 de segunda a sexta, na TV Portal Microfone Verdade
Escute online agora



Lançado há menos de dois anos, o Pix não para de crescer. O Brasil já possui mais de duas chaves de pagamento instantâneo para cada habitante. São 214,8 milhões de brasileiros e 469 milhões de chaves ativas.

Os dados foram analisados pelo Metrópoles com base em informações divulgadas pelo Banco Central. A reportagem considera números publicados até junho.

Sem tarifa

Segundo o Banco Central, a facilidade de acesso e a ausência de tarifas impulsionaram o crescimento do meio eletrônicos de pagamento.

Dados do próprio Banco Central apontam que apenas 3% do dinheiro em circulação no país está em formato físico. Ou seja, 97% dos valores são movimentados por meios digitais.

Muitas chaves

A analista de projetos Juliana Kamimura, 35 anos, está no roll de brasileiros que têm mais de uma chave Pix. Para ela, o sistema é seguro justamente por ter restringido o uso de dinheiro físico.

“É uma alternativa em tempo real para quem já utilizava TED e DOC. O Pix funciona 24 horas, sete dias por semana e entre quaisquer bancos”, comenta a moradora de Águas Claras. Ela conta que optou usar três chaves para segmentar a organização das finanças pessoais.

Cuidados

O advogado Caio Sanas, especializado em mercado financeiro e criptomoedas pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e professor da Fundação Getulio Vargas (FGV), avalia que o sistema vem ajudando a digitalizar os pagamentos, o que traz mais eficiência e segurança para a economia do país.

“Isso é resultado da transformação digital que o mundo vem enfrentando, e acesso à internet, embora tenhamos que melhorar substancialmente em relação a esse acesso. Mas os dados demonstram que é um caminho sem volta, o brasileiro prefere o digital ao dinheiro físico por questões de facilidade, segurança e cultura”, defende.

No entanto, assim como qualquer ferramenta digital, o Pix exige cuidados. A pedido do Metrópoles, ele preparou dicas para evitar golpes e garantir a segurança das transações.

“Os criminosos aproveitam da engenharia social, ou seja, falta de conhecimento da população para obterem recursos de maneira ilícita prejudicando terceiros”, acrescenta.

Confira dicas para evitar golpes envolvendo Pix:

  • Desconfie de pessoas que solicitam Pix via WhatsApp. Certifique-se de que vc está falando com a pessoa certa.
  • Utilize apenas o aplicativo e o site do seu banco.
  • Jamais informe sua senha para terceiros.
  • Cuidado com os links que as pessoas te enviam por e-mail, WhatsApp e SMS, pode ser algum vírus que consegue recuperar suas senhas.
  • Cuidado com os QR Codes falsos. Certifique-se que o beneficiário é realmente a pessoa física ou jurídica que vc fará a transferência.
  • Não utilize Wi-Fi público ou rede que você desconheça.

Do Metrópoles 

***


error: Conteúdo Protegido