Assista-nos ao vivo as 13:30 de segunda a sexta, na TV Portal Microfone Verdade
Escute online agora



Nesta segunda-feira (11), a Justiça determinou a prisão preventiva do agente penitenciário e apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL) Jorge Guaranho, suspeito de assassinar o guarda municipal Marcelo Arruda, ex-candidato a vice-prefeito na chapa do PT de 2020 em Foz do Iguaçu (PR) . O anúncio foi feito durante coletiva de imprensa do Ministério Público do Paraná (MP-PR) na manhã de hoje.

Arruda foi morto a tiros na madrugada de domingo (10) na própria festa de aniversário . Devido à comemoração, que tinha como temática o próprio Partido dos Trabalhadores, o simpatizante de Bolsonaro teria interrompido o evento e atirado três vezes contra a vítima, acusa nota da legenda.

O petista também estava armado, reagiu e atirou contra o acusado.

Durante a coletiva, o promotor Tiago Lisboa disse que um juiz plantonista acatou o pedido de conversão da prisão em flagrante para prisão preventiva ainda na noite de ontem. De acordo com ele, Guaranho está hospitalizado em estado grave e sob escolta.

“Embora ele se encontre internado, pelo que levantamos ontem, […] o estado de saúde dele é grave, mas não sei hoje. […] Mesmo na atual condição dele, ele teve a prisão decretada, e está em escolta da polícia militar e tão logo se reestabeleça, será ouvido. Uma audiência de custódia será realizada assim que ele estiver em condições e será ouvido no próprio processo penal”, afirmou.

A partir de agora, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) fará parte das investigações, informou Lisboa, já que alguns pontos cruciais precisam ser apurados.

Diretor da Associação

O policial penal bolsonarista Jorge José da Rocha Guaranho, que matou o guarda municipal petista Marcelo de Arruda na noite de sábado (9) em Foz do Iguaçu, é um dos diretores da associação onde o crime aconteceu, segundo a Polícia Civil do Paraná.

“A informação que temos a priori deu a entender que eles se conheciam, mas não há histórico que tenha havido uma divergência ou briga anterior”, afirmou a delegada. “Por isso a gente deduz que talvez eles tivessem um conhecimento.”

 

Do IGNotícias 

***

 


error: Conteúdo Protegido