Assista-nos ao vivo as 13:30 de segunda a sexta, na TV Portal Microfone Verdade
Escute online agora



Em evento neste sábado, em Diadema (SP), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pré-candidato do PT à Presidência da República, falou sobre a chamada PEC das bondades, que deverá ser votada na Câmara nesta semana, com apoio da oposição. O petista deu um conselho para que população pegue o dinheiro, compre comida e, depois, na hora do voto, escolha quem tem soluções definitivas.

“Se o dinheiro cair na conta de vocês, peguem e compre o que comer. Na hora de votar, dê uma banana neles e votem para a gente mudar a história desse país”, disse Lula. Ele refere-se ao governo de Jair Bolsonaro (PL), que lançou o pacote com o objetivo de minimizar o impacto da inflação e do preço dos combustíveis para a população mais pobre.

“Não se recusa dinheiro não. Se cair o dinheiro pegue, mas na hora do voto é preciso votar em quem vai cuidar desse país definitivamente”, disse o petista, lembrando que os benefícios, pelo projeto do governo, só valem até o dia 31 de dezembro.

Propostas

A proposta cria programas sociais, como um “voucher caminhoneiro” de R$ 1.000 mensais a motoristas autônomos e um auxílio emergencial a taxistas.

Lula ainda ironizou as constantes investidas de Bolsonaro ao falar sobre a adoção do sistema de pagamento por meio de Pix, que facilitou as transações bancárias.

“Não adianta fazer Pix, Pax, porque o povo quer saber o seguinte: tem dinheiro na conta para ele?”

“Orçamento secreto”

O petista disse também que pretende mudar a forma de destinar recursos da União para estados e municípios de classificou o chamado “orçamento secreto”, como a “a maior bandidagem que já fizeram em 200 anos de República” e comparou o esquema de emendas parlamentares lideradas pelos relatores do Orçamento com uma raposa cuidando de um galinheiro.

“Não é possível que a gente não esteja percebendo isso. Eu e o Alckmin vamos ganhar as eleições e vamos ter que discutir com o Congresso”, declarou.

“Não é o Congresso que administra o orçamento. O orçamento é administrado pelo governo”, reclamou o petista.

“Rico não rouba, pede para autoridades”

O petista, que vem realizando encontros com empresários, industriais e banqueiros no último mês, voltou a reclamar sobre as constantes cobranças para que ele apresente uma nova proposta de regime fiscal, visto que ele já prometeu acabar com a previsão constitucional do teto de gastos.

“Dizem que eu não gosto de empresários. Eu gosto, mas eles só falam de teto de gastos, teto de gastos, regime fiscal”, reclamou.

Ao falar da questão de segurança, o petista atacou a desigualdade social do país e o papel do Estado para prover o básico para as populações mais pobres.

Do Metrópoles 

***


error: Conteúdo Protegido