Assista-nos ao vivo as 13:30 de segunda a sexta, na TV Portal Microfone Verdade
Escute online agora
Prefeitura propõe revisão do PCCR como alternativa para reajustar salários de professores
Prefeitura propõe revisão do PCCR como alternativa para reajustar salários de professores
Espalhe essa notícia

A Prefeitura de Araguaína informou ao AF Notícias, em nota, que a Educação representa atualmente 50% da folha de pagamento do município, que envolve mais 17 secretarias, e que o reajuste salarial reivindicado pela categoria, no percentual de 33,23%, fere a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Em razão do impasse, os professores decidiram paralisar as atividades nos dias 30 e 31 de maio em forma de protesto. A prefeitura teria que pagar 23,06% aos professores para alcançar o reajuste de 33,24% do piso nacional, conforme o Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado (Sintet), uma vez que já foi concedida data-base de 10,2%.

A prefeitura voltou a reafirmar que os professores já recebem acima do piso nacional. “A média salarial dos educadores municipais é de mais de R$ 7 mil, sendo que 30% dos profissionais recebem mais de R$ 9 mil. Os salários pagos aos professores do município vão de R$ 3.845,63 até R$ 17 mil”, acrescentou.

Conforme a nota, se a prefeitura conceder o reajuste de 33,23%, os gastos com folha de pagamento serão elevados para mais de 60% do orçamento municipal, porém, a LRF só permite até 54%.

“A revisão do plano [de carreira], já proposta pelo Município, é uma alternativa para que haja equilíbrio entre as contas públicas e as conquistas da categoria”, finalizou a prefeitura.

Veja a nota completa 

“A Prefeitura de Araguaína informa que, devido à valorização da Educação, a pasta representa 50% da folha de pagamento municipal, que envolve mais 17 secretarias. A média salarial dos educadores municipais é de mais de R$ 7 mil, sendo que 30% dos profissionais recebem mais de R$ 9 mil. Os salários pagos aos professores do Município vão de R$ 3.845,63 até R$ 17 mil.

Acrescenta que o pagamento do reajuste de 33,23% para os professores, exigido pelo Sintet (Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Tocantins), de acordo com o PCCR (Plano de Cargos e Carreira) da categoria, eleva os gastos com folha de pagamento para mais de 60% do orçamento municipal, o que é proibido pela Lei de Responsabilidade Fiscal. O permitido é até 54%.

Informa ainda que a aplicação do piso nacional e da data-base já foram concedidos pela Prefeitura e todos os 1.439 professores ganham o salário-base (inicial) de R$ 3.845,63 para o nível 1 e R$ 3.860,02 para os que estão no nível 2. A revisão do plano, já proposta pelo Município, é uma alternativa para que haja equilíbrio entre as contas públicas e as conquistas da categoria”.

 

Do AFNotícias 

***


Espalhe essa notícia
error: Conteúdo Protegido