Assista-nos ao vivo as 13:30 de segunda a sexta, na TV Portal Microfone Verdade
Escute online agora

Espalhe essa notícia

Um homem de 40 anos, nome não revelado, que trabalha de vigia na Prefeitura de Maurilândia, no Bico do Papagaio, foi preso, no final da tarde de terça-feira (17), por estupro de vulnerável, corrupção de menores e por armazenar e divulgar cenas de sexo explícito com uma pré-adolescente.

De acordo com o delegado Antônio Bandeira, as investigações que apuram o caso foram iniciadas em novembro de 2021, quando um vídeo contendo cenas de sexo entre a vítima e um adolescente passou a circular em grupos de aplicativos na cidade.

Posteriormente, um menor de 16 anos que aparece nas imagens com a vítima foi localizado pela Polícia Civil e conduzido para prestar esclarecimento sobre seu envolvimento com a menina de 13 anos.

“Com o aprofundamento das investigações, descobrimos que, além de manter relacionamento com a menina de apenas 13 anos, o homem [vigia] também permitia que outros adolescentes mantivessem relações com a vítima ao passo que registrava tudo com um aparelho celular e divulgava, posteriormente”, disse o delegado. O vigia tem 40 anos de idade.

Ainda durante as investigações, foram cumpridos mandados de busca na residência de um dos adolescentes com o objetivo de recuperar os aparelhos que continham os vídeos. Contudo, os vídeos e imagens haviam sido deletados do aplicativo de conversas dos dispositivos eletrônicos.

O vigia fugiu de Maurilândia ao saber que estava sendo investigado, mas o delegado obteve autorização da Justiça para prendê-lo. “Assim, após três meses, o homem retornou para o município como se nada tivesse acontecido e foi preso, quando estava trabalhando como vigia em um posto de saúde da cidade”, informou Antônio Bandeira.

Com a conclusão do inquérito, o vigia foi indiciado por armazenar, disponibilizar e transmitir cenas de sexo explícito, bem como corrupção de menores – crimes previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente – além de estupro de vulnerável, que está previsto no Código Penal. Se condenado pelos três crimes, ele pode pegar mais de 25 anos de prisão.

Segundo o delegado Antônio Bandeira, a prisão do vigia é muito relevante, já que os crimes foram praticados contra uma adolescente de apenas 13 anos vitimada duplamente, pois foi estuprada e teve sua identidade e sua honra violadas ao ser exposta em grupos de aplicativos por toda a cidade.

“O encerramento dessa investigação com a prisão do autor tem um significado muito importante, já que ocorre praticamente no dia Nacional de Combate a Violência e Exploração Sexual de Adolescentes. Além disso, trata-se de um crime hediondo que estava sendo praticado e divulgado por um homem de 40 anos, em total desprezo pela condição de vulnerabilidade da vítima”, disse o delegado.

 

Com informações da PC/TO

***


Espalhe essa notícia
error: Conteúdo Protegido