Escute a rádio online agora:

Dados incluídos por estados e municípios no sistema SIVEP-Gripe revelam que, até o momento, foram registrados 456 casos de gripe pelo vírus H3N2 no Brasil. A informação foi repassada pelo Ministério da Saúde.

A infectologista Helena Rangel Esper explica que o H3N2 é um subtipo de Influenza A – um vírus respiratório causador da gripe. De acordo com a médica, os sintomas são basicamente os mesmos provocados por uma gripe sazonal. 

“Podemos ter o que chamamos de síndrome gripal, que é quando temos sintomas como febre, tosse, dor de garganta, coriza, nariz entupido, associado a dor no corpo, dor de cabeça, dores nas juntas. Isso pode ou não evoluir, em uma porcentagem pequena dos casos, para síndrome respiratória aguda grave, que é quando precisamos de suporte, ou seja, de oxigênio”, pontua. 

Existem três tipos de vírus influenza, conhecidos como A, B e C. Os dois primeiros são mais propícios a provocar epidemias sazonais em várias partes do mundo. Já o último costuma provocar alguns casos mais leves. O tipo A da influenza é classificado em subtipos, como o A(H1N1) e o A(H3N2). O tipo B, por sua vez, é dividido em duas linhagens: Victoria e Yamagata.

Segundo Helena Rangel, o H3N2 se tornou evidente no Brasil porque houve um aumento significativo no número de casos em um momento atípico.

“Geralmente, a Influenza sazonal circula nos meses de inverno, entre julho e setembro. E, observamos casos nesse momento, detectando um grande aumento no número de pessoas infectadas, num período em que também se espera um aumento no número de casos de Covid-19, devido à variante Ômicron”, avalia. 

Casos por Unidade da Federação 

  • Amazonas (19)
  • Bahia (107) 
  • Distrito Federal (6) 
  • Espírito Santo (18)
  • Goiás (7)
  • Minas Gerais (20)
  • Mato Grosso do Sul (35) 
  • Pará (2)
  • Pernambuco (6) 
  • Paraná (15) 
  • Rio de Janeiro (55) 
  • Roraima (1) 
  • Rio Grande do Sul (9) 
  • Santa Catarina (1) 
  • Sergipe (4) 
  • São Paulo (151)

Fonte: AFNoticias
Crédito de imagem: Infectologista Helena Rangel Esper tira dúvidas sobre a variante H3N2 / Foto: Shutterstock