Assista-nos ao vivo as 13:30 de segunda a sexta, na TV Portal Microfone Verdade
Escute online agora

Espalhe essa notícia

A Secretaria de Saúde do Pará confirmou nesta quinta-feira, 10 de junho, o primeiro caso de mucormicose associada à Covid no estado, popularmente conhecido como ‘fungo negro’. O paciente é um idoso que mora em Santana do Araguaia, município paraense que fica perto da divisa com o Tocantins.

Segundo o G1 Pará, o idoso deu entrada no Hospital Regional de Conceição do Araguaia, município vizinho a Santana do Araguaia, com sintomas do novo coronavírus. Na unidade, ele foi diagnosticado com a covid-19 e ficou internado. Alguns dias depois ele teve melhora clínica e recebeu alta.

Contudo, após ser liberado, o paciente apresentou piora no quadro de saúde e procurou atendimento médico nas cidades de Araguaína e Palmas, no Tocantins. O idoso voltou a ser internado e só então recebeu o diagnóstico de mucormicose, sendo transferido para São Paulo (SP), onde fez o tratamento.

A secretaria paraense ainda investiga o caso para descobrir o local onde o paciente foi infectado.

Governo do Tocantins

O AF Notícias solicitou informações sobre o caso à Secretaria da Saúde do Tocantins para saber por quais unidades, públicas ou privadas, o paciente passou e as medidas preventivas já adotadas.

Contudo, em nota, a Saúde afirmou apenas que “não há como saber em quais unidades o referido paciente esteve internado, sem o nome do mesmo, mas ressaltou que a mucormicose não é uma infecção contagiosa“, segundo informação da Secretaria da Saúde do Pará.

Outros casos no país de “fungo negro”

A mucormicose é uma infecção fúngica e milhares de casos foram registrados na Índia entre pacientes que se recuperaram de covid-19 ou que estavam em processo de recuperação.

Segundo o Ministério da Saúde, no Brasil foram registrados 29 casos de mucormicose entre janeiro e maio deste ano. Em 2020, conforme a pasta, foram 36 casos de janeiro a dezembro. Os dados são baseados em notificações feitas pelos estados.

Nos últimos dias, mais dois casos da infecção fúngica foram confirmados no Brasil: em Pernambuco e no Rio Grande do Norte. Nessas situações, segundo os governos locais, as pacientes haviam se recuperado da Covid-19 recentemente. Além disso, atualmente há, ao menos, outros três casos suspeitos da infecção fúngica no país.

“Fungo negro”

Causada pelos fungos Mucorales, a mucormicose é conhecida há mais de um século, tendo sido descrita pela primeira vez em 1885.

A doença pode representar uma ameaça para casos como os de pacientes com diabetes descontrolada, doenças oncohematológicas (como a leucemia) que precisam de transplante de medula óssea ou quando uma pessoa faz uso de altas doses de corticoides, que possuem ação anti-inflamatória.

O “fungo preto” mata mais de 50% dos afetados, segundo estudos sobre o tema. Muitos dos pacientes precisam passar por cirurgias mutilantes, que retiram partes do corpo atingidas pelo micro-organismo, como os olhos.

Fonte: AFNoticias
Crédito de imagem: Paciente do Pará com fungo negro teria passado por Araguaína / Divulgação


Espalhe essa notícia
error: Conteúdo Protegido