Assista-nos ao vivo as 13:30 de segunda a sexta, na TV Portal Microfone Verdade
Escute online agora

Espalhe essa notícia

O Ministério Público do Tocantins (MPTO) requisitou, nesta terça-feira (25), informações sobre as medidas adotadas pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) para a contenção da nova variante indiana da covid-19 (chamada de B.1.617) no Estado do Tocantins.

A promotora de Justiça Araína Cesárea D’Alessandro, da 27ª Promotoria da Capital, cita a confirmação de casos da nova variante no estado do Maranhão, bem com o acompanhamento de casos suspeitos nos estados do Pará, Ceará e Rio de Janeiro.

O MPTO deu prazo de 5 dias para que a Saúde forneça informações sobre as medidas preventivas de contenção, barreira e bloqueio que o Estado do Tocantins está adotando nas divisas com os estados do Maranhão e Pará.

VEJA MAIS

ENTENDA

O Governo do Estado do Maranhão confirmou os primeiros casos de Covid-19 provocados pela variante do coronavírus que surgiu na Índia. Ela foi identificada em tripulantes do navio Mv Shangon Da Zhi, ancorado no estado, que viajou da África do Sul até São Luís.

“Dos 15 resultados [positivos para a covid-19], seis deram resultado positivo para a B.1.617.2, uma das linhagens da variante da Índia”, disse Carlos Lula, secretário de Saúde do Maranhão.

A confirmação da variante indiana acende alerta em todo o Brasil, a começar pelos estados que fazem divisa com o Maranhão, a exemplo do Tocantins.

A variante indiana B.1.617 foi classificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma “preocupação global” e há indícios de maior transmissibilidade. No último dia 14, o governo federal proibiu a entrada de estrangeiros em voos com origem na Índia por recomendação da Anvisa devido aos sucessivos recordes de casos e mortes no país.

Fonte: AFNoticias
Crédito de imagem: Saúde tem 5 dias para informar medidas adotadas / Foto: Imagem ilustrativa


Espalhe essa notícia
error: Conteúdo Protegido