Assista-nos ao vivo as 13:30 de segunda a sexta, na TV Portal Microfone Verdade
Escute online agora

Espalhe essa notícia

A diretoria do Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Tocantins (Sintet) se reuniu nesta sexta-feira (21) e acertou os últimos encaminhamentos para entrar com uma ação na justiça contra o decreto do governo estadual que autoriza o retorno imediato das aulas presenciais.

“A medida [ingresso da ação judicial] prima pelo direito à vida, direito que resguarda a saúde”, diz o sindicato, que defende o retorno das aulas presenciais somente após a vacinação.

Para o Sintet, essencial é a vida. “Neste momento, é primordial zelar pela vida. Sem a vida, sem o direito à saúde, a quem vamos garantir o direito à educação? Essencial é a vida, queremos que as pessoas tenham a garantia da vacina para que possam retornar com segurança às aulas presenciais”, disse José Roque Santiago, presidente do sindicato.

O Sintet já havia anunciado no início da semana que entraria com ações regionalizadas em cada comarca cobrando a inclusão da categoria nos grupos prioritários de imunização. Agora, ingressará com uma ação contra o governo estadual.

Após o decreto do governador, os presidentes regionais do Sintet começaram uma agenda de visitas às prefeituras, onde pedem a manutenção do ensino remoto e o não retorno das aulas presenciais sem a vacinação dos profissionais da educação.

O Decreto nº 6.257, que autoriza o retorno presencial das atividades educacionais nas redes públicas e privadas, foi publicado no Diário Oficial do Estado no dia 14 de maio. As aulas já foram retomadas.

Apesar da medida do Governo do Tocantins, cerca de 70 prefeitos rejeitaram a decisão e vão manter as aulas no formato remoto.

No dia 19 de março, o governador Mauro Carlesse também aproveitou a presença do ministro da Educação, Milton Ribeiro, em Araguaína, e sancionou uma lei estadual que declara as atividades escolares como essenciais e inclui os profissionais da educação no grupo prioritário da vacinação contra a covid-19.

VEJA MAIS

Ao lado do ministro da Educação, Carlesse assina lei que prioriza vacinação de professores

Cerca de 70 prefeitos rejeitam decisão do governador sobre retorno das aulas presenciais

Em Araguaína, ministro responde professores sobre vacina e critica ‘governos de esquerda’

Fonte: AFNoticias
Crédito de imagem: As aulas presenciais já foram retomadas / Foto: Juliana Carneiro/Governo do Tocantins


Espalhe essa notícia
error: Conteúdo Protegido