Assista-nos ao vivo as 13:30 de segunda a sexta, na TV Portal Microfone Verdade
Escute online agora



O Comitê de Crise do Tocantins se reuniu na tarde desta terça-feira (9) para discutir a evolução da Covid-19 no estado, as medidas de distanciamento social e as demandas de representantes de entidades empresariais para construção de um plano de enfrentamento da pandemia, sem sacrificar a atividade econômica.

Presente na reunião, o governador Mauro Carlesse sugeriu a ampliação do horário de atendimento e a restrição do número de pessoas no comércio, reforçando a necessidade de combater as aglomerações em festas, no transporte público, mercados e instituições bancárias. “Temos que tomar decisões em conjunto, ouvindo todos os parceiros”, pontuou.

A proposta de flexibilização dos horários de funcionamento das atividades empresariais, no sentido de evitar as aglomerações no comércio, bem como, nos transportes públicos e instituições financeiras, foram bem recebidas pelos representantes das entidades que participaram da reunião. Eles entendem que as empresas já estão sendo bastante penalizadas e que as medidas de restrição de horários são equivocadas, uma vez que o limite do horário de funcionamento do comércio produz o efeito contrário, gerando mais aglomerações.

O representante do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros (Seturb), Roni Von Pinto, ressaltou que a restrição de horário de funcionamento das atividades, sejam empresariais ou públicas, é um desastre para o transporte público, e que o ideal é expandir o horário de funcionamento das atividades essenciais. “Expandir horário e fazer o escalonamento de horário de entrada e de funcionamento dos segmentos da sociedade vai fazer com que as pessoas não procurem o transporte público no mesmo horário”, reforçou.

A representante da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Tocantins (Abrasel), Ana Paula, afirmou que a participação nessa reunião atende uma reivindicação da entidade e explicou que o setor é um dos mais penalizados durante a pandemia. Ela defendeu que os empresários do setor que representa estão atentos a todos os protocolos e que a flexibilização proposta é importante para a continuidade das atividades, sem prejuízos às exigências sanitárias. “Temos consciência do que estamos fazendo e as medidas propostas são bem vidas”.

“Nós temos que expandir o tempo de atendimento. Se o empresário tem condições, fica 24 horas. Os bancos, que gerenciam nosso dinheiro, também deveriam funcionar em tempo integral, mas isso não acontece, limitam o horário de funcionamento e promovem aglomerações, por isso sou favorável a essa proposta”, defendeu o presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagem no Tocantins (ABAV-TO), Marcelo Perim.

O presidente da Federação do Comércio do Tocantins (Fecomércio), Itelvino Pisoni, parabenizou pela iniciativa e destacou que a solução para o problema das aglomerações não é o fechamento do comércio. “Eu endosso essa proposta e não podemos baixar a guarda. Temos que evitar as aglomerações no comércio estendendo o horário de funcionamento nos estabelecimentos”, declarou.

“Fico feliz com esse posicionamento do senhor, quando defende estender o horário. É isso o que precisamos. Só vamos acabar com o problema a partir do momento que a população for vacinada, portanto, é preciso buscar soluções coerentes, como essa proposta pelo senhor, para evitar as aglomerações e o contágio”, comemorou o presidente da Federação das Associações Comerciais e Industriais do Estado do Tocantins (Faciet), Fabiano do Vale, dirigindo-se ao governador Mauro Carlesse.

O Governador afirmou que as propostas serão analisadas pelo Comitê o mais rápido possível para que seja dado um encaminhamento das medidas a serem adotadas. “Precisamos de uma definição rápida, para que seja tomada uma providência a ser adotada pelo Estado para fazer frente à pandemia e reduzir esse quadro atual de ocupação dos leitos de UTIs e clínicos”, pontuou.

Comitê

O Comitê de Crise para Prevenção da Covid-19 conta com a participação da Assembleia Legislativa (AL/TO); do Tribunal de Justiça (TJ/TO); do Ministério Público Estadual (MPE); da Defensoria Pública Estadual (DPE); da Polícia Federal (PF); da Polícia Rodoviária Federal (PRF), da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Tocantins (OAB/TO), das Forças Armadas e de outras instituições. O objetivo é a união de forças entre os Poderes do Estado e órgãos institucionais com vistas ao enfrentamento da pandemia provocada pelo novo coronavírus.

Fonte: AFNoticias
Crédito de imagem: Restringir o horário do comércio tem efeito contrário, gerando aglomerações / Foto: AF Notícias


error: Conteúdo Protegido