Assista-nos ao vivo as 13:30 de segunda a sexta, na TV Portal Microfone Verdade
Escute online agora

Espalhe essa notícia

Pesquisa do Procon Tocantins encontrou uma variação de até 216,67% nos preços de materiais escolares na cidade. O levantamento realizado pela Gerência de Fiscalização do órgão, entre os dia 11 e 12 de janeiro de 2021 observou os preços de 87 itens em estabelecimentos de Palmas, na região central do estado.

Entre os produtos pesquisados estão canetas hidrográficas, apontadores, borrachas, cadernos, colas em bastão e líquida, giz de cera, lápis preto e lapiseiras, marca texto, massas de modelar, réguas, tesouras, corretivos, papel, pincel e tinta.

Variação

Dentre os produtos, o item com maior variação de preços, 216,67%, é a régua plástica de 30 centímetros da marca Waleu, vendida entre R$ 0,60, e R$ 1,90. Em segundo lugar, o giz de cera – estojo de 12 cores da marca Acrilex, com variação de 141,21 %, comercializada entre R$ 1,99 e R$216,67% 4,80. Já em terceiro lugar vem a borracha de ponteira látex branca da marca Mercur, com variação de 100,00%, comercializada entre R$ 0,20 e R$ 0,40.

Segundo o Superintendente do Procon Tocantins, Walter Viana, a pesquisa  continua sendo a ferramenta de maior importância na hora da aquisição dos materiais, porque revela a variação de preços e auxilia o consumidor antes mesmo de sair de casa para realizar as compras.

“Além da gama de preços que o levantamento aponta, o consumidor também tem acesso uma amostra das variedades de produtos e marcas, porém  a recomendação primordial é que o consumidor se habitue a pesquisar antes de adquirir qualquer produto”, observou o gestor Walter Viana.

Dicas para o consumidor

  • Antes da compra, verifique quais os produtos da lista que você já possui em casa, que estejam em bom estado e que possam ser reutilizados. A compra em conjunto pode facilitar as negociações;
  •  Evite comprar materiais com personagens, logotipos e acessórios licenciados, porque geralmente os preços são mais elevados;
  • Outra dica é promover e participar da troca de livros didáticos entre alunos que cursam séries diferentes;

Desde fevereiro de 2015, alguns produtos como apontadores, borrachas, canetas hidrográficas e esferográficas, dentre outros, só podem ser comercializados com o selo do INMETRO.

Vale lembrar aos pais que na lista de material escolar, as instituições de ensino não podem exigir a aquisição de material de uso coletivo, conforme determinação da lei 12.886/2013.

Segue link da pesquisa de preços no site do Procon Tocantins.

Link da lista dos materiais escolares que não podem ser solicitados pelas escolas privadas

Fonte Por: Alessandro Ferreira Fonte: SECOM / TO
Crédito de imagem: Procon orienta consumidor a evitar materiais com personagens, logotipos e acessórios licenciados, porque geralmente são mais caros – Foto: Ascom Procon/Governo do Tocantins


Espalhe essa notícia
error: Conteúdo Protegido