Ascom

O deputado estadual Ricardo Ayres (PSB) deu entrada na Assembleia Legislativa em um Projeto de Lei que dispõe sobre a adoção de medidas que buscam a proteção de ciclistas e a reserva de espaços para a prática da atividade no Estado do Tocantins. A proposta é fruto de um reunião onde Ayres convidou atletas e adeptos do esporte para apresentarem suas demandas e quais seriam as ações mais efetivas a serem tomadas.

Uma das medidas contidas no projeto cobra do Estado e de suas concessionárias a revitalização e a manutenção do acostamento, com sinalização horizontal que indique a utilização da área por ciclistas, nos 15 quilômetros que antecede e sucede o perímetro urbano dos municípios. “Essas são áreas comuns de treinamento dos ciclistas, que por vezes, estão sujeitos a locais sem acostamento, sem a devida manutenção, com buracos, mato e também sem qualquer tipo de sinalização de segurança”, destacou Ricardo Ayres

Outra determinação da proposta apresentada é para que possa constar, obrigatoriamente, nos projetos básicos para pavimentação das rodovias e suas duplicações, espaço lateral de extensão do acostamento, com sinalização horizontal e vertical, destinado à ciclovia. “O ciclismo vem ganhando cada vez mais adeptos no Tocantins, precisamos pensar, planejar e resguardar locais para eles praticarem seu esporte, com segurança”, pontuou.

Placas de sinalização

Ayres também quer que sejam instaladas placas de sinalização advertindo os motoristas acerca do cuidado com os ciclistas nas rodovias. Ainda segundo o parlamentar as placas terão os seguintes dizeres: “Cuidado! Ciclista na via, mantenha 1,5 m de distância”.

As placas deverão ser instaladas em todas as entradas e saídas dos municípios com acesso às rodovias e a cada 2 quilômetros nas rodovias que cruzarem o perímetro urbano, contando o intervalo do ponto inicial e final da área urbana em questão. “São medidas para alertar os condutores de veículos para a presença dos ciclistas e sobre a distância mínima de segurança estabelecida pelo CONTRAN. Buscamos dar mais segurança e salvar vidas assim”, concluiu Ayres.