Assista-nos ao vivo as 13:30 de segunda a sexta, na TV Portal Microfone Verdade
Escute online agora



Texto: Jornalista Luciana Macedo

Fotos: Cajis

Secretaria Municipal da Comunicação

O isolamento social proposto pelo Governo Federal para combate ao novo Coronavírus não desmotivou o Centro de Artes José Iramar da Silva (Cajis). Pelo contrário, aliado à tecnologia, cerca de 200 alunos matriculados no Cajis, órgão vinculado à Secretaria da Cultura e do Turismo da Prefeitura de Porto Nacional, estão tendo acesso a videoaulas e atividades on-line. Esse formato estimula o aprendizado e ajuda crianças, jovens, adultos e idosos a manter contato com as artes durante o período de suspensão das aulas presenciais. Nas atividades, os alunos encontram exercícios teóricos e práticos, dentro de cada modalidade. Os cursos oferecidos pelo Centro de Artes neste semestre são: piano clássico, violão popular, balé clássico e jazz dance, além do treinamento funcional para a Melhor Idade.

“O Centro de Artes José Iramar da Silva segue o calendário da Rede Municipal de Ensino. Sendo assim, esteve em período de férias antecipadas no mês de abril, devido à Pandemia. Ao retornar, logo na primeira semana de maio, iniciou o trabalho de aulas on-line. Os professores, cada um em sua modalidade, gravam aulas semanais, editam e enviam os vídeos nos grupos de suas turmas. Além disso, eles também enviam material teórico. Em contrapartida, como método de avaliação, cada aluno envia de volta fotos e vídeos executando os exercícios”, explicou a coordenadora do Cajis, a dançarina profissional Eliane de Oliveira Pereira.

Os professores de violão, Marlon e Anilton, as professoras Renata Souza, de dança e Régia Aparecida, de piano, se reorganizaram e desenvolveram suas didáticas para manter o contato com os seus alunos por meio de aplicativos. Todas as modalidades estão com planejamento e execução de conteúdos de forma virtual, por meio de vídeos e áudios enviados diariamente aos alunos.

A professora Régia Aparecida, de piano, disse que em tempos de isolamento social se reinventar tem sido um desafio, ressaltando que o aprendizado musical é cognitivo e ao mesmo tempo físico – um exercício para o corpo e a mente que precisa ser realizado regularmente para ser efetivo.

“Eu acredito que o maior desafio das aulas de música é para os alunos que não possuem instrumentos em casa. A parte teórica é mais fácil para ser desenvolvida, mas a prática complica, porque não tem como fazer os exercícios e tocar a música. Eles ainda não desenvolveram a percepção de observar a postura, corrigir a posição da mão e executar gestos musicais, então, o professor estando ao lado o resultado é muito mais eficaz. As aulas on-line têm sido um desafio gostoso, um aprendizado para todos nós”, revelou.

Já a aluna de piano, Láina Vitória, observa o isolamento social como sinônimo de foco. “Faço música no Cajis, sou aluna da professora Régia, estou aprendendo a tocar piano e o desafio tem sido grande, porque envolve muita concentração. Em casa, além de termos muitas distrações, temos que aprender a lidar, sem a professora ali presente, com alguma dificuldade que surge no momento do estudo”, refletiu.

Após a Pandemia, novos alunos poderão ser matriculados na sede do Cajis que fica na antiga Escola Raimundo Gabriel, no setor Jardim Brasília.


error: Conteúdo Protegido