Assista-nos ao vivo as 13:30 de segunda a sexta, na TV Portal Microfone Verdade
Escute online agora

Espalhe essa notícia

Uma separação conjugal mal resolvida porque o homem não aceitava resultou em tragédia familiar no município de Porto Nacional, região central do Tocantins.

Por volta das 10h e 30m da manhã de sábado (14), o agricultor Virgulino dos Passos Guimarães, 32 anos, foi morto a tiros na casa do ex-sogro, à rua Paraná, Setor Jardim Umuarama.

De acordo com o que foi apurado pelo RONDA PORTO, o homem armado de faca foi à residência do ex-sogro, o feirante Vicente Ferreira da Silva, 58 anos, dizendo que iria pegar a filha dele de qualquer jeito. Virgulino lutava desesperadamente por uma reconciliação e sem êxito já tinha espancado a ex-mulher e os pais dela.

Ao adentrar à casa, Virgulino deu de cara com o ex-sogro e começou a agredi-lo afirmando que estava ali para acabar de terminar o serviço, supostamente, se referindo à ocasião anterior em que não conseguiu matar o oponente. Naquele instante, o autor que já havia adquirido um revólver por se sentir ameaçado, efetuou três disparos que alvejaram o agressor no braço direito e na região torácica. O Corpo de Bombeiros foi chamado, mas, já encontrou a vítima na área dos fundos sem sinais vitais

A Perícia Criminal esteve no local, fez os levantamentos necessários para esclarecer os fatos e recolheu a faca suja de sangue que estava em cima do fogão.

Fuga e apresentação

Após a prática do crime, o acusado fugiu em direção não sabida e se apresentou, espontaneamente, ao delegado Wagner Siqueira, da DEIC de Porto Nacional, na manhã desta segunda-feira (16). O PORTALMV foi informado que ele assumiu a autoria do delito e ressaltou que agiu em legítima defesa. A arma do crime não foi apresentada. Vicente chegou a dizer a amigos e, provavelmente, deve ter revelado no depoimento que devido ao nervosismo e à tensão do momento não lembra onde deixou.

Por ter livrado o flagrante e se apresentado para ser interrogado, o autor fica com o direito de responder em liberdade. Já o delegado que conduz o inquérito tem dez dias para conclui-lo a contar da data em que o crime ocorreu.


Espalhe essa notícia
error: Conteúdo Protegido