Assista-nos ao vivo as 13:30 de segunda a sexta, na TV Portal Microfone Verdade
Escute online agora



Detentor de três mandados de prefeito e ainda ostentando uma boa popularidade, Otoniel Andrade, poderá encontrar obstáculos para viabilizar sua pré-postulação à prefeitura no pleito de outubro vindouro.

O ex-mandatário já tem quatro condenações e bloqueio de bens em primeira instância por seguidos atos de improbidade administrativa, inclusive até com reincidência, ou seja, duas decisões condenatórias pelas mesmas ilicitudes.

Além desses reveses, ainda tem outros casos considerados mais graves que estão em trâmite e aguardam decisões judiciais: doação de outros terrenos de uso comum para empresários sem licitação; desvio de recursos da saúde por meio de cooperativa que culminou com afastamento e prisão de ex-secretário; e a famigerada compra de uma gráfica por parte de Otoniel Filho que gerou até bloqueio de bens em valor superior a 550 mil reais.

Com esse histórico arraigado de imbróglios jurídicos, Otoniel Andrade enfrentará resistência no grupamento político e sistema governista estadual. Existe uma temeridade muito acentuada por insegurança jurídica que pode obstaculizar a campanha com a possibilidade de indeferimento de registro da candidatura.

A cunhada

Sondada desde quando saiu o resultado das urnas de 2016, Virginia Andrade, esposa do Presidente da Assembleia Antonio Andrade e, cunhada de Otoniel, tem seu nome potencializado e pode assumir a dianteira do grupo na corrida pelo executivo portuense.

Claro que Otoniel recorreu de todas decisões de primeira instancia e garante que estará elegível, entretanto, há um acúmulo de condenações que pode refletir, negativamente, sem falar que uma boa parte do eleitorado e da sociedade teme a judicialização da gestão antevendo prejuízos incalculáveis para o município.

Temos conhecimento que Virgínia tem revelado a pessoas mais próximas seu desejo de disputar a prefeitura de Porto Nacional em 2020. Entretanto, chega a negar publicamente para não criar arestas no grupamento político-familiar.

O ano da eleição já começou e a agenda política está na mesa com as páginas abertas para acolher as anotações dos primeiros encontros com os nomes a serem analisados.

E vai um aviso: o sistema andradista/governista precisa de um plano B.

Da Redação/Aurivan Lacerda


error: Conteúdo Protegido