Assista-nos ao vivo as 13:30 de segunda a sexta, na TV Portal Microfone Verdade
Escute online agora

Espalhe essa notícia

Conjecturar não custa quase nada. Só um pouco de conhecimento com imaginação fértil em torno de alguns fatores determinantes. Com base nesse conceito, é possível vislumbrar o primeiro portuense se tornando governador do Estado do Tocantins.

Deputado Antonio Andrade – Presidente da ALETO

Um dos municípios mais importantes do planalto central brasileiro ainda não teve um pátrio chefiando o executivo estadual, porém, esse colossal adendo poderá acrescido às páginas da admirável história de Porto Nacional já no primeiro trimestre de 2022.

O virtual protagonista deste imaginável capítulo, já comanda um dos três poderes do estado: é o atual Presidente da Assembleia Legislativa, Antonio Andrade. Eleito com 21 dos 23 votos possíveis na ALETO, Toinho como é chamado em Porto Nacional, mantém formidável relacionamento com os pares e sua reeleição é tida como certa.

Uma vez reeleito, o parlamentar que teve excelente passagem pela Câmara de Vereadores de sua cidade, continuará sendo o segundo substituto eventual de Mauro Carlesse até o final de 2022. Só que o dinamismo da política e o rebuliço causado por cada eleição podem levar Antonio Andrade a responder pela chefia do legislativo estadual e a função de vice-governador imediato já a partir de janeiro vindouro.

Governador Mauro Carlesse

Em caso de confirmação da candidatura de Wanderlei Barbosa à Prefeitura de Palmas e, se esta, porventura, sagra-se vitoriosa, ele deixará a vice-governadoria ficando o Presidente da ALETO supridor de tal vacância. Nestas condições, a partir do começo do ano que vem, inicia-se a expectativa em relação ao futuro político do atual governador que tenciona disputar o senado no pleito de 2022. Para viabilizar a postulação, Mauro Carlesse será obrigado a renunciar seis meses antes da eleição e, neste cenário descrito e vaticinado aqui, o deputado portuense Antonio Andrade viria a ser empossado Governador do Estado do Tocantins com direito a disputar a reeleição.

Não se trata de uma utopia. É uma projeção que depende de muitos acontecimentos, mas, que é plenamente possível de ser evidenciada.

 

Da Redação: Aurivan Lacerda 


Espalhe essa notícia
error: Conteúdo Protegido