Escute a rádio online agora:

Com o intuito de debater boas Práticas para o Rastreamento do Câncer do Colo Uterino, atualidades no diagnóstico laboratorial e o monitoramento da qualidade em citologia, a Secretaria de Estado da Saúde realizou nos dias, 04 e 05 de fevereiro, o Ciclo de palestras alusivo ao dia Mundial de Combate ao Câncer.

O Dia Mundial de Combate ao Câncer teve sua data instituída em 2008, pela União Internacional Contra o Câncer (UICC), para aumentar a conscientização sobre a doença e estimular a preservação.

A ação faz parte do projeto de pesquisa científica da diretora do Laboratório Central de Saúde Pública, Jucimária Dantas Galvão, e é financiada pelo governo do Estado, por meio da Fundação de Amparo a pesquisa do Tocantins (Fapt), e pelo governo Federal no Programa de Pesquisa para o SUS (PPSUS).

Na abertura do evento a superintendente de Vigilância em Saúde, Perciliana Joaquina Bezerra, ressaltou que o Tocantins já vem discutindo há muito tempo como fortalecer o SUS, principalmente acerca do diagnóstico preciso do câncer de colo de útero. “Em uma reunião da CIB escutamos muitos municípios reclamando das análises das coletas dos exames preventivos, foi aí que surgiu a ideia de implantar o laboratório de citopatologia, que irá fazer análise dos materiais coletados nos municípios tocantinenses”, disse.

A programação de palestra contou com profissionais renomados para falar sobre o assunto como o doutor Fábio Russomano, coordenador do grupo que elaborou as Diretrizes utilizadas em todo o âmbito do Programa de Controle do Câncer do Colo do Útero, Doutor em Ciências Médicas, Colaborador do Instituto Nacional de Câncer (INCA) e Diretor do Instituto Fernandes Figueira/FIOCRUZ.

Fábio apresentou casos clínicos (condutas e seguimentos), além de falar das diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer de colo de útero. “É muito importante que as condutas sejam assertivas para o diagnóstico precoce do câncer de colo de útero. É preciso analisar as lesões de maneira adequada para que o tratamento seja eficaz”, pontuou.

Outro ponto abordado foi a Citologia em Meio líquido, a palestra foi realizada pelo doutor Marco Antônio Zonta, pesquisador colaborador da UNIFESP, pesquisador associado da Euroimunn Academy (Alemanha) e Presidente da Associação Brasileira de Biomedicina e Citologia Diagnóstica.

A pesquisadora, Jucimária Dantas Galvão, que também é diretora do Laboratório Central de Saúde Pública, apresentou sua pesquisa: Efetividade da marcação combinada de p16 e Ki67 na referência de mulheres com citologia ASC-US ou LSIL para colposcopia. Os dados também apontam a necessidade da implantação do Laboratório de Citologia.

“A idealização do Laboratório de Citologia foi apoiada pelo desenvolvimento de um Projeto de Pesquisa Aplicada ao SUS, onde foi desenvolvida uma avaliação da estratégia de rastreamento do câncer do colo do útero no Estado e áreas técnicas que gerenciam o Programa em nível Estadual. Os dados apontavam para a necessidade de um serviço público e independente que garantisse a qualidade, confiabilidade e a credibilidade dos atendimentos nas unidades de saúde e o retorno das mulheres para o seguimento em tempo oportuno”, afirmou Jucimária Dantas. O laboratório já está em fase de implantação e deverá entrar em funcionamento até 2021.

Por Fernanda Veloso