CNJ suspende ato que autorizava Polícia Militar do Tocantins a lavrar TCO.
Quarta, 14 de novembro de 201814/11/2018
63984631128
Muito nublado
23º
32º
32º
Porto Nacional - TO
dólar R$ 3,78
euro R$ 4,28
MICROFONE VERDADE
GERAL
CNJ suspende ato que autorizava Polícia Militar do Tocantins a lavrar TCO.
A Liminar foi concedida em favor do Sindepol/TO considerando ilegal o ato da CGJUS publicado em 11 de maio último.
PortalMV Porto Nacional - TO
Postada em 12/07/2018 ás 00h38
CNJ suspende ato que autorizava Polícia Militar do Tocantins a lavrar TCO.

Luciano Frota - Conselheiro do CNJ.

Na manhã desta quarta-feira, 11, o conselheiro Luciano Frota do Conselho Nacional de Justiça concedeu liminar em favor do Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Estado do Tocantins, (Sindepol/TO), considerando ilegal o ato da Corregedoria Geral da Justiça do TJTO (CGJUS) que publicou, no dia 11 de maio um provimento que autorizava os magistrados de 1º grau a reconhecerem os Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCO) lavrados pela Polícia Militar do Tocantins.

"Diante da plausibilidade do direito invocado defiro o pedido liminar para suspender a eficácia do provimento Nº 9 -CGJUS/ASPCGJUS, tal como requerido pela Sindicato dos Delegados de Polícia do Tocantins", decidiu Luciano Frota.

Por compreender que a lavratura do TCO deve ser feita única e exclusivamente pela Polícia Judiciária, o conselheiro a afirmou em decisão que, “feitas estas considerações, é de se ter que o Provimento nº 9, editado pelo TJTO não se harmoniza com a legislação de regência e está em desacordo com a jurisprudência da Suprema Corte. Na medida em que reconhece os Termos Circunstanciados emitidos pela Policia Militar, aquele provimento legitima a possibilidade de essa corporação ser enquadrada no conceito de polícia judiciaria, o que não se ajusta aos preceitos constitucionais e jurisprudenciais.”

Para o presidente do Sindepol/TO, Mozart Felix, toda a legislação vigente assegura que os Termos Circunstanciados de Ocorrência devem ser lavradas pela polícia civil. “O ato da Corregedoria Geral da Justiça do Estado de Tocantins contraria o sistema normativo nacional e desrespeita o Princípio da Legalidade, de acordo com o artigo 37 da Constituição da República Federativa do Brasil, por isso a nossa luta, afinal, como já proferiu anteriormente o Ministro do STF, Celso de Mello, o Delegado de Polícia é o primeiro garantidor da legalidade e da justiça”, afirma o presidente.

FONTE: Jornal Stylo
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

500 caracteres restantes

  • COMENTAR
    • Prove que você não é um robô:

imprimir
160