PC prende 12 pessoas acusadas de fraudarem concurso da PM.
Terça, 20 de novembro de 201820/11/2018
63984631128
Nublado
23º
30º
34º
Porto Nacional - TO
dólar R$ 3,76
euro R$ 4,29
MICROFONE VERDADE
RONDA TO
PC prende 12 pessoas acusadas de fraudarem concurso da PM.
A Operação Aleteia é comandada pela Delegacia Especializada em Investigações Criminais (DEIC NORTE), com o apoio da Delegacia Regional de Araguaína e das Polícias Civil do Maranhão e Piauí.
PortalMV Porto Nacional - TO
Postada em 21/06/2018 ás 10h15 - atualizada em 22/06/2018 ás 00h55
PC prende 12 pessoas acusadas de fraudarem concurso da PM.

PC em atuação na operação aleteia

Uma mega operação deflagrada pela Polícia Civil na manhã desta quinta-feira (21) nos Estados do Tocantins, Maranhão e Piauí efetuou a prisão de 12 pessoas suspeitas de fraudar o concurso público da Polícia Militar do Tocantins.


A Operação Aleteia é comandada pela Delegacia Especializada em Investigações Criminais (DEIC NORTE), com o apoio da Delegacia Regional de Araguaína e das Polícias Civil do Maranhão e Piauí. Vários mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça do Tocantins ainda estão sendo cumpridos.


Segundo o delegado regional Bruno Boaventura, o líder da quadrilha está entre os presos. Ele é conhecido como ‘Antônio Concurseiro’. Todos os presos devem ser apresentados na Regional de Araguaína até o final da tarde de hoje ou início de sexta-feira (22).


Entenda


A fraude no concurso da PM-TO foi denunciada pelo AF Notícias um dia após a aplicação das provas objetivas em 11 de março de 2018. O certame oferta 1.000 vagas para soldado e 40 para oficiais.


No total, 86.523 candidatos tiveram as inscrições deferidas. A remuneração ofertada para o cargo de soldado é de R$ 4.455,46 e R$ 8.382,10 para oficial.


Na época, o site divulgou com exclusividade o registro oficial de ocorrência relatando a apreensão de um celular com vários gabaritos dentro do banheiro de uma faculdade em Araguaína.


O celular da marca Nokia estava dentro de um cesto de lixo no banheiro masculino, debaixo da sacola, na Faculdade Católica Dom Orione, e foi encontrado pela equipe de limpeza.


Em Arraias, no sul do Tocantins, uma turma se recusou a realizar a prova em virtude de um dos envelopes estar rasgado. Segundo candidatos, os dois lacres estavam rompidos. Na ocorrência, a PM disse que o envelope foi fechado e devolvido à banca organizadora.


O concurso está atualmente suspenso por decisão do Tribunal de Justiça devido à instabilidade política e administrativa decorrente da cassação do ex-governador Marcelo Miranda (MDB) e realização de eleições suplementares.

FONTE: AfNotícias
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

500 caracteres restantes

  • COMENTAR
    • Prove que você não é um robô:

imprimir
310