Quinta, 17 de outubro de 2019
63984631128
Geral

17/05/2019 ás 00h01 - atualizada em 17/05/2019 ás 00h07

PortalMV

Porto Nacional / TO

Grávidas do CRAS União participam de roda de conversa promovida pela Defensoria Pública.
Foram abordados diversos tipos de agressões contra a mulher, principalmente, a violência obstétrica.
Grávidas do CRAS União participam de roda de conversa promovida pela Defensoria Pública.

A Defensoria Pública de Porto Nacional em parceria com a Prefeitura Municipal realizou na manha dessa quarta-feira, 15, uma roda de conversa com mulheres grávidas. A finalidade do bate-papo foi esclarecer dúvidas sobre diversos tipos de violência contra a mulher, em especial a violência obstétrica. 
 
Trabalhando em defesa das mulheres que necessitam de acesso à justiça para a garantia dos seus direitos, a Defensoria Pública vem atuando firmemente no assunto, atuando em diversas áreas, como no atendimento às mulheres em situação de rua, encarceradas, as que sofrem violência obstétrica, bem como as atingidas pelas questões raciais, e violência doméstica e familiar.

 “A grande maioria de mulheres que morrem no parto sofreram violência obstétrica, e grande parte dessas vítimas são negras”, observou a defensora púbica, Denize Souza Leite.


Para a coordenadora do CRAS União, Cynthia Souza, a sociedade precisa estar em constante busca sobre seus direitos. “É necessário instigar todas as mulheres a buscarem mais conhecimento a respeito dos tipos de violência que existem. Hoje, estamos destacando a violência doméstica que, infelizmente, é pouco conhecida e muito praticada”.


O evento ocorreu no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS União), no setor Vila Nova, e contou com a coordenadora do CRAS União, Cynthia Souza, a equipe de mulheres da Defensoria Pública e a doula, Paulina Bigoni de Oliveira.


Doulas


A palavra Doula vem do grego e significa “mulher que serve”. Essas profissionais dão suporte físico e emocional à gestante em trabalho de parto. Não são parteiras e nem enfermeiras, não substituem a presença do pai, não fazem qualquer tipo de procedimento invasivo, como exame de toque ou administração de medicamentos.


A doula Paulina Bigoni é francesa e, também, assistente voluntária que faz o serviço no Hospital e Maternidade Tia Dedé, em Porto Nacional. “Minha missão é ajudar as mães e oferecer a elas um suporte afetivo e emocional durante o parto”, destacou.

FONTE: Por Mychelle Tauane/Secom Porto Nacional

Clique nas imagens abaixo para ampliar:
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados